Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Em busca da felicidade

A logística dos saltos altos

 

Gosto de saltos altos. Mas gosto mais ainda das minhas botas rasas e casual. Gosto de roupas descontraídas, de casacos de malha largos. De jardineiras folgadas. De conforto.

Dos sapatos de salto gosto da aparência. Do andar que (a saber calça-los) se torna mais elefante. Gosto de saber que fazem qualquer roupa parecer mais elegante.

Até ter começado a trabalhar na empresa em que trabalho hoje nunca tive uns sapatos de salto alto (sapatos, botas, sandálias).

Quer dizer…

…minto. Comprei umas botas castanhas, mais por convencimento da minha prima do que outra coisa qualquer. Essas botas viram os meus pés 2 ou 3 vezes até ao dia em que comecei a trabalhar na empresa em que trabalho hoje.

Lá fazia o esforço quando havia um casamento ou um batizado, mas fora isso, rasos para que vos quero?!

Poucos meses depois de estar nesta empresa e, estando a minha situação contratual mais segura, decidi investir algum dinheiro em roupas e sapatos mais adequados.

Entraram, dessa forma, pela via laboral, os saltos na minha vida.

Aprendi a andar neles e já não parecia uma patega a cair numa falésia sempre que calçava qualquer coisa diferente de ténis.

Enquanto a minha situação de transporte foi de carro, mantive os meus saltos. Mas depois mudei-me para a Margem Sul (de regresso) e escolhemos o comboio. Não me imaginava na gincana dos transportes de saltos.

Voltei aos rasos.

Voltei ao carro, voltei a investir em sapatos de salto.

Mas nesta altura já vivia num 3º andar sem elevador e tinha (tenho) 2 cães para passear de manhã e à tarde. Subir e descer escadas de saltos logo pelas 6:30h não é o sonho de ninguém.

Os saltos ficaram no guarda fatos, a ser usados uma vez por mês.

O pequeno nasceu e agarrei-me aos rasos de novo. Isto de andar com uma criança, catrefadas das apetrechos e malas e tudo e tudo, não dá!

Mas lá está, trabalho numa empresa cujo vestuário é mais a atirar para o formal, não totalmente, mas não é o casual que eu gostaria, e um sapatinho de salto fica sempre melhor, compõe melhor as peças.

Decidi começar a levar os sapatos de salto para o carro. De manhã visto o que me apetecer, calço as minhas botas que são umas imitação das UGG compradas no Pingo Doce por 9,99 € e ando no sobe e desce de escadas. Desce com miúdo, sobe para entregar miúdo, vai para o trabalho, calça os saltos, sai do trabalho e calça a pantufa/bota, sobe escadas, desce escadas, passeia cães, dá banho ao pequeno e por aí em diante.

 

Qualquer dia a bagageira do carro parece uma sapataria da Guimarães. Mas é tão mais fácil assim!

 

24 comentários

Comentar post

------ Gostar da Página ------

----ATENÇÃO!----

Este não é o meu cantinho, este não é o meu refugio e este não é o meu diário público. Este é o meu tasco. Servem-se petiscos carregados de óleo velho, jolas, caracoladas e meia dúzia de piadas parvas. Se procura um espaço mais aprimorado é tentar na porta ao lado. Aqui arrota-se. Dão-se chupas aos miúdos (sim com açúcar...nada de stevia). Aqui dão-se erros ortográficos, baralha-se a semântica e escrevem-se frases à Saramago…e não falo da qualidade intrincada de ideias, é mesmo pela falta de pontuação. Aqui corre-se ocasionalmente, mas sempre com os bofes pela boca e acompanhado do #excuses, muitas #excuses. Aqui faz-se o que dá na real gana, mas sempre com algum juízo. Se estiver confortável com o acima disposto, sente-se e mande vir um pires de caracóis que já atendemos.

----- Seguir no Bloglovin -----

Follow

------Blogs de Portugal------

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

------- Mais sobre mim -------

foto do autor

------------ Arquivo ------------

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D