Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Em busca da felicidade

As cuecas do estropiado

calvin.png

 

Tenho este habito estúpido de estar sempre a dizer baboseiras. Tenho esta mania de querer ser engraçada, de entender que tudo pode ser alvo de uma piada, de que mais vale rir quando pouco mais há a fazer. O sarcasmo ajuda. Pelo menos a mim. Ridicularizar a vida quando ela nos pontapeia, dá-me uma certa leveza de espírito. Que mais não seja porque não lhe faço totalmente a vontade: «até pode ser como entendes, mas eu escolho se rio ou choro!»

O Nuno estava sentado na cadeira, cateter enfiado no braço, branco como a cal, aflito com dores. E eu, eu desesperada para que sorrisse. Tenho sempre para mim que se conseguir uma gargalhada ajudo ao medicamento. Que tenho o poder de fazer a cabeça esquecer da dor, nem que seja por uma fração de segundo.

 

«Não querias era que passasse o dia lá com o francês! Para a próxima diz, escusas de te meter numa destas!»

Recebi na segunda-feira um colega francês que veio a Portugal de propósito para ver o resultado de um projeto que pilotei. Deixei-o sentado e corri para ir com o Nuno ao hospital. (nada de preocupações, o colega tinha outras coisas para fazer).

 

«Deves ter bebido água demais nestes dias! Os teus rins não estão habituados a trabalhar!»

O Nuno raramente bebe água. Todos os dias leva uma garrafa para o trabalho. Todos os dias a garrafa volta como foi. Todos os dias lhe digo que «qualquer dia…qualquer dia…». Costumamos brincar que se vendêssemos um rim dele nos dariam bom dinheiro, afinal de contas tem alguns anos mas está como novo, quase não foi usado. Daí foi um saltinho, esta situação podia facilmente resultar de um excesso de água. Já se sabe que quando uma pessoa se habitua a fazer pouco depois reclama, pelo que era uma boa piada. Nada.

 

«Acho que estiveste demasiado tempo de costas para o vento este fim de semana! Bateu-te tanta areia da praia nos rins que criou um calhau por osmose!»

Puxadinha…mas o desespero é lixado.

 

«Estava aqui a pensar amor…que cuecas trazes tu? Tens umas cuecas em condições, certo? É que estava aqui a lembrar-me das cuecas do estropiado…tens de pensar em comprar uns pares da calvin klein, imagina tu que tens de tirar as calças….»

Ficou com mais dores ao pensar que eu lhe estava a impingir uma forma de gastar mais dinheiro.

 

Não é fácil estar casado comigo. De maneira nenhuma. Um gajo a sofrer as dores de parto que a gaja não imagina porque foi para uma cesariana marcada, e a tipa a fazer piadas de cuecas. Tenham dó!

 

Nota: Pelo menos agora um de nós sabe o que são as dores de parto…e não sou eu!

 

1 comentário

Comentar post

------ Gostar da Página ------

----ATENÇÃO!----

Este não é o meu cantinho, este não é o meu refugio e este não é o meu diário público. Este é o meu tasco. Servem-se petiscos carregados de óleo velho, jolas, caracoladas e meia dúzia de piadas parvas. Se procura um espaço mais aprimorado é tentar na porta ao lado. Aqui arrota-se. Dão-se chupas aos miúdos (sim com açúcar...nada de stevia). Aqui dão-se erros ortográficos, baralha-se a semântica e escrevem-se frases à Saramago…e não falo da qualidade intrincada de ideias, é mesmo pela falta de pontuação. Aqui corre-se ocasionalmente, mas sempre com os bofes pela boca e acompanhado do #excuses, muitas #excuses. Aqui faz-se o que dá na real gana, mas sempre com algum juízo. Se estiver confortável com o acima disposto, sente-se e mande vir um pires de caracóis que já atendemos.

----- Seguir no Bloglovin -----

Follow

------Blogs de Portugal------

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

------- Mais sobre mim -------

foto do autor

------------ Arquivo ------------

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D