Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Em busca da felicidade

Blogs há muitos!

blog-pic-b2c.jpg

 

Aqui há tempos ouvia “hoje em dia qualquer pessoa tem um blog”. Quem o disse não sabia que eu tinha um e falou de forma depreciativa. De que, quando alguém não sabe fazer nada cria um blog e começa a ganhar dinheiro. Como se fosse assim...enfim!

Mas até pode ser verdade. Se quiser, qualquer pessoa pode ter um blog. (mas nem toda a gente ganha dinheiro...a maioria aliás).

Qualquer pessoa, pode – tal como eu fiz – entrar na sapo blogs e em minutos ter um bog pronto para começar a escrever.

Essa parte é fácil. Aliás, com as ferramentas que existem hoje, é super fácil.

Ter um blog qualquer pessoa pode ter. Claro que sim. Não é preciso ter licença. Não é preciso contratar uma empresa para o criar (como antigamente se fazia com os sites). Não é preciso gastar um tostão.

É fácil, simples e rápido.

Podemos pôr fotografias. Escrever frases. Escrever histórias. Contar peripécias. Avaliar roupas. Dizer mal. Enfim, podemos fazer o que quiseremos.

Agora, aquilo que muitas vezes não é entendido por quem diz “hoje em dia qualquer pessoa tem um blog” é que ter um espaço destes não é algo desprovido de trabalho e dedicação. É obvio que eu posso criar um espaço para ir colocar duas ou três algarviadas sempre que esteja danada com alguém. Eu até posso não dar a cara e estar a falar mal de alguém que está mesmo ao meu lado sem essa pessoa saber.

Mas a verdade é que manter um blog dá trabalhinho. É preciso pensar em temas. Construir textos. Ajeitar as coisas para ficarem minimamente organizadinhas. Essas coisas todas.

Requer organização para que, se quero dinamizar o espaço, então garantir que lá escrevo qualquer coisa com uma periodicidade razoável e um minimo de qualidade (pelo menos para o meu proprio gosto).

Hoje lia este texto sobre a qualidade dos blogs. E é verdade. Com a “aparição” de algumas pessoas na esfera publica muito em resultado dos blogs que mantém há anos, existem cada vez mais pessoas (umas que até têm prazer, outras em busca de dinheiro, fama, reconhecimento, oportunidades – tudo válido, atenção) a criar blogs. A questão é que estes espaços foram criados alguns deles há mais de 10 anos. Muitos foram anónimos e depois acabaram por ganhar cara com ofertas de publicação de livros e hoje, são blogs que quase funcionam como revistas digitais, que, atendendo à procura têm direito a patrocínios e publicidade paga. O que me parece perfeitamente natural, uma vez que têm uma plataforma que lhes deu trabalho a construir, que lhe tirou horas e dias sem ganhar um tostão e que acabaram por render.

A verdade é que os blogs são uma forma inteligente de as marcas fazerem publicidade.

É pelo trabalho que sei que dá. Pelo investimento que é feito. Que confesso que me aborrece um bocado que digam "ah e tal isso é fácil, qualquer pessoa tem". Depois até há pessoas capazes de abrir um espaço só para provar o seu ponto de vista, põem lá duas ou três coisas e quando percebem que dá algum trabalho nunca mais falam no assunto.

Questão chave: tás aí com lérias, mas, querias ganhar alguma coisa com isto?

Posso ter muitos defeitos, mas uma das minhas qualidades é ser honesta. Por isso sim. Gostava que um dia este espaço me rendesse alguma coisa. Se me oferecessem um patrocinio aceitava. Se me oferecessem publicidade, aceitaria num piscar de olhos. Agora, se a questão é que ando nisto apenas à procura disso, a resposta é não.

Tenho prazer em escrever. Para mim tem um efeito catártico e permite-me muitas vezes expressar coisas que verbalmente não consigo.

Tem sido um diário dos meus dias (do que quero registar é claro, que às vezes há episódios que uma pessoa só quer esquecer) e um dia vai ser giro ler o que escrevi. Ver o meu filho ler o que escrevo a pensar nele.

Gosto que as pessoas leiam o que escrevo. Que me deem feedback. Gosto de perceber que recebeu cliques e que mais pessoas cá estiveram a ler.

Gosto mesmo. Não adapto o que escrevo para que mais pessoas gostem. Falo do que me dá na real gana. Mas gosto que gostem. Que leiam.

Hoje procuro outros espaços para ver o que outras pessoas têm para contar e gosto desses espaços.

Acredito que alguns de nós possamos alcançar mais alguma coisa, outros talvez não. Mas acredito que os que aqui andam dia sim, dia sim, vão continuar. Vão continuar a escrever, a contar as suas histórias. Afinal de contas, se calhar são como eu, não gostam de crochet e têm nas letras um hobbie que lhes dá prazer e lhes ocupa a cabeça.

Que venham mais blogs. Que sejam criados por pessoas que gostem disto de apontar cenas. O resto logo se vê.

 

(gostei muito de ler este texto, fala de forma objetiva sobre as expetativas e as formas que hoje servem para avaliar a qualidade de cada espaço, convido-vos a ler, está muito bom)

32 comentários

Comentar post

Pág. 2/2

------ Gostar da Página ------

----ATENÇÃO!----

Este não é o meu cantinho, este não é o meu refugio e este não é o meu diário público. Este é o meu tasco. Servem-se petiscos carregados de óleo velho, jolas, caracoladas e meia dúzia de piadas parvas. Se procura um espaço mais aprimorado é tentar na porta ao lado. Aqui arrota-se. Dão-se chupas aos miúdos (sim com açúcar...nada de stevia). Aqui dão-se erros ortográficos, baralha-se a semântica e escrevem-se frases à Saramago…e não falo da qualidade intrincada de ideias, é mesmo pela falta de pontuação. Aqui corre-se ocasionalmente, mas sempre com os bofes pela boca e acompanhado do #excuses, muitas #excuses. Aqui faz-se o que dá na real gana, mas sempre com algum juízo. Se estiver confortável com o acima disposto, sente-se e mande vir um pires de caracóis que já atendemos.

--------Instagram--------

------Blogs de Portugal------

----- Seguir no Bloglovin -----

Follow

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

------- Mais sobre mim -------

foto do autor

------------ Arquivo ------------

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D