Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Em busca da felicidade

Hoje está difícil para ser feliz

Às vezes a busca pela felicidade é o mais difícil do nosso dia. Quando só queremos bater com a porta e procurar algo de novo que nos traga um sorriso ao rosto. Quando os dias são passados afastados dos que amamos, sujeitos a privações e sem a compreensão de que a satisfação de quem trabalha garante a qualidade do trabalho que desempenha. A permanente associação entre o tempo que se gasta com a tarefa e o quão bem feita estará. Nada mais errado.

A frustração de uns a esmagar a busca de bem estar de outros.

Este ano não tenho 1 período de férias decente. Os únicos 2 períodos de férias que pedi tiveram de ser alterados. Às vezes penso que cheguei agora. Setembro foi o primeiro. Agora Junho, a única semana de verão efetivo que pedi, é-me negada. Ou melhor é-me explicado o quão difícil é tirá-la. Posso, desde que consiga o impossível. Um bom negócio, como é bom de ver.

Vou ter de dispensar o verão ou apertar o cinto para poder gastar um pouco mais num período mais caro. Afinal de contas farto-me de trabalhar o ano todo, acho que também mereço descansar e apanhar dois raios de sol. Viver a praia com o meu campeão. Vê-lo conhecer o mar pela primeira vez.

Hoje às 9 da manhã só me apetecia chorar. E chorei. De raiva. Por mais uma frustração. Por ser mais uma vez vítima do quero lá saber.

Por vezes penso que há uma qualquer membrana que divide as pessoas que por divino direito são felizes e têm tudo a cair-lhes aos pés. Depois há os outros, que ou se submetem a viver num marasmo de frustrações ou passam a vida a lutar por rasgar esta separação e tentar encontrar algo melhor. Onde sejam felizes. A busca. Sempre a busca.

Hoje a minha busca passa por lembrar tudo o que de bom tenho e tentar encontrar argumentos para me convencer a mim mesma que tenho mais razões para sorrir que para chorar. Mas não está fácil.

Chego a casa e as tarefas acumulam-se em cima de quem tem a cabeça de rastos. Aquela gota de água no deserto, aquela semaninha arrancada de mim, tão injusto...

Chega o final do dia e vamos às contas, o que pode ser alterado para haver férias na mesma. Tentamos alterar e está esgotado. Completamente esgotado nas duas semanas possíveis. Em resumo, num ímpeto de alguém a minha única semana de férias decentes, marcada há mais de dois meses para fugir do dia a dia de sempre, morre na praia, a ironia da coisa.

Fiquei enraivecida, bati com cadeiras e agredi o frigorifico, esse coitado que não fez mal a ninguém. Estou cansada disto. Cansada de fazer o certo e ser sempre saco de pancada do errado.

Hoje tá muito difícil ser feliz. Muito mesmo.

------ Gostar da Página ------

----ATENÇÃO!----

Este não é o meu cantinho, este não é o meu refugio e este não é o meu diário público. Este é o meu tasco. Servem-se petiscos carregados de óleo velho, jolas, caracoladas e meia dúzia de piadas parvas. Se procura um espaço mais aprimorado é tentar na porta ao lado. Aqui arrota-se. Dão-se chupas aos miúdos (sim com açúcar...nada de stevia). Aqui dão-se erros ortográficos, baralha-se a semântica e escrevem-se frases à Saramago…e não falo da qualidade intrincada de ideias, é mesmo pela falta de pontuação. Aqui corre-se ocasionalmente, mas sempre com os bofes pela boca e acompanhado do #excuses, muitas #excuses. Aqui faz-se o que dá na real gana, mas sempre com algum juízo. Se estiver confortável com o acima disposto, sente-se e mande vir um pires de caracóis que já atendemos.

----- Seguir no Bloglovin -----

Follow

------Blogs de Portugal------

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

------- Mais sobre mim -------

foto do autor

------------ Arquivo ------------

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D