Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Em busca da felicidade

Negócio das Arábias

Nem toda a gente sabe disto, mas os que me conhecem melhor sabem da minha predilecção por este senhor. Se vamos ao cinema e há um filme em cartaz com o magnifico Tom Hanks, então é essa a minha escolha. Não preciso ver o trailer nem de saber sobre o que é o filme. É um filme com o Tom Hanks. Ponto. Confio no seu julgamento a tal ponto, que se ele escolheu o filme para fazer é porque é bom.

Afinal de contas, não só é o meu actor favorito de todos os tempos, como protagoniza o meu filme favorito, Forest Gump. Um dia falarei disso. E não, não tem que ver com o meu gosto pela corrida.

Imagino o dia em que conhecerei este senhor. Um dia, numa viagem de férias em Los Angeles ou em Nova Iorque, lá vai ele na vida dele e eu, de mochila às costas petrifico, depois dou uma sapa em mim propria e vou direita a ele. É assim que imagino. Para dizer o quê? Provavelmente nada. Provavelmente para fazer figura de otária, para o Tom ficar com a ideia que tenho um delay mental, pouco mais que isso. E isto se não desmaiar primeiro. Acho que lhe estendo um papel para assinar e lhe digo que gosto muito dele. Depois o Tom segue à sua vida como se nada tivesse acontecido e eu fico a hiperventilar, desconsiderando todo o resto da viagem depois de um encontro imediato assim.

Mas deixando-me de delírios, que o almoço foi peixe grelhado e não cogumelos mágicos.

E sobre o que é que é o filme? Bom a descrição é sobre um tipo que vai à Arábia Saudita para vender um mecanismo de conferencia por holograma ao rei.

Mas é muito mais que isso.

É sobre perder. Sentir-se perdido. Sobre o que planeamos para a nossa vida. O que sonhamos. E depois sobre o que ela se torna. Sobre as nossas escolhas. Sobre as que mudaríamos se pudéssemos, as que tomamos conscientes que seriam as melhores e se demonstraram ruinosas. Sobre o estar doente tendo uma saúde de ferro. Sobre fazer amizades inusitadas. Sobre o sacrifício pelos que amamos. Sobre a luta que travamos todos os dias com a nossa própria cabeça, e com os que nos pressionam e nem sabem pelo que temos passado. Sobre encontrar a felicidade que julgávamos que nunca íamos voltar a alcançar no sitio mais inesperado.

Enfim, é sobre a vida, com um deserto como cenário principal.

Eu adorei o filme, e que melhor forma de voltar a uma sala de cinema quase 2 anos mais tarde do que com um filme destes com o magnifico Tom Hanks.

------ Gostar da Página ------

----ATENÇÃO!----

Este não é o meu cantinho, este não é o meu refugio e este não é o meu diário público. Este é o meu tasco. Servem-se petiscos carregados de óleo velho, jolas, caracoladas e meia dúzia de piadas parvas. Se procura um espaço mais aprimorado é tentar na porta ao lado. Aqui arrota-se. Dão-se chupas aos miúdos (sim com açúcar...nada de stevia). Aqui dão-se erros ortográficos, baralha-se a semântica e escrevem-se frases à Saramago…e não falo da qualidade intrincada de ideias, é mesmo pela falta de pontuação. Aqui corre-se ocasionalmente, mas sempre com os bofes pela boca e acompanhado do #excuses, muitas #excuses. Aqui faz-se o que dá na real gana, mas sempre com algum juízo. Se estiver confortável com o acima disposto, sente-se e mande vir um pires de caracóis que já atendemos.

--------Instagram--------

------Blogs de Portugal------

----- Seguir no Bloglovin -----

Follow

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

------- Mais sobre mim -------

foto do autor

------------ Arquivo ------------

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D