Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Em busca da felicidade

Penitência

Eu sou pessoa que não precisa de autoridade para exercer qualquer tipo de castigo sobre a minha pessoa quando me comporto mal.

Sou aquela pessoa que, se por um qualquer momento de distração estaciona num lugar destinado a deficientes, se a autoridade me autuar ainda lhe digo "60 € senhor guarda!? Nunca! No minimo 120 € pelo estupor que fui a estacionar no lugar daquele senhor que está coxo em resultado da panada que levou na perna direita".

Por isso, depois de ontem ter emborcado um valente pedaço de bolo, mesmo depois de ter passado a minha hora de almoço enfiada no ginásio, decidi, esta manhã, ouvir o podcast (uma parte) da entrevista ao Gustavo Santos (no Maluco Beleza).

Como é possível um ser vivo ser tão ignorante e dizer tanta besteira? Valha-me Deus!

Esta pessoa, que se intitula de Coach de vida (ou coisa que o valha), diz que é normal um filho dizer a uma mãe ou a um pai que não gosta deles, apenas porque têm ideias diferentes sobre o que é melhor para ele/ela (o filho). Diz que uma mãe que não concorde com as opções de um filho é porque não o ama.

"Tem de se esforçar mais para aceitar". Diz esta mente brilhante.

Esforçar tive eu, para te ouvir!

Gostava de perguntar a este ser o que ele acharia se tivesse uma filha e, a determinada altura ela lhe dissesse "olha pai, tive a pensar e quero ser puta!".

Pelo discurso dirá "força filha, queres que te leve à reta, ou o teu sonho é mais no sentido do bar de alterne?".

Ao mesmo tempo que diz que as pessoas devem fazer o que querem e não devem ser contrariadas nem conduzidas para opções diferentes. Porque quem o faz é porque não as ama. Também é bom sofrerem adversidades porque sem elas não constroem carácter.

Grilos.

Ouço grilos.

Em que ficamos Gustavo?

Devem ser contrariadas ou não. Ou as adversidades vem mais no sentido de maldições com gafanhotos e cenas, como diz na Bíblia.

Depois falou da reencarnação. Mas eu não vou entrar por aí que isso é ainda mais tortuoso.

O que me mete medo é que este ser dá workshops sobre a vida. E mete na cabeça das pessoas que isto é um raciocino lógico.

Como o da "mente chama-se mente porque te mente".

Sabes Gustavo, começo a achar que desta até tens alguma razão. É que a mente das pessoas que te acham alguma razão mente-lhes para caraças!

Isto ele há com cada poeta!

 

(faço notar que sou pessoa atenta que não estaciona em lugares de deficientes nem de grávidas, nem mesmo destinados a famílias com crianças se não estiver acompanhada do meu filho. Tenho forte repudio por pessoas que o fazem. Chama-se a isto civismo e acredito que o tenho, pelo que o indicado no inicio do post é apenas para fins de parvoeira lúdica)

 

15 comentários

Comentar post

------ Gostar da Página ------

----ATENÇÃO!----

Este não é o meu cantinho, este não é o meu refugio e este não é o meu diário público. Este é o meu tasco. Servem-se petiscos carregados de óleo velho, jolas, caracoladas e meia dúzia de piadas parvas. Se procura um espaço mais aprimorado é tentar na porta ao lado. Aqui arrota-se. Dão-se chupas aos miúdos (sim com açúcar...nada de stevia). Aqui dão-se erros ortográficos, baralha-se a semântica e escrevem-se frases à Saramago…e não falo da qualidade intrincada de ideias, é mesmo pela falta de pontuação. Aqui corre-se ocasionalmente, mas sempre com os bofes pela boca e acompanhado do #excuses, muitas #excuses. Aqui faz-se o que dá na real gana, mas sempre com algum juízo. Se estiver confortável com o acima disposto, sente-se e mande vir um pires de caracóis que já atendemos.

--------Instagram--------

------Blogs de Portugal------

----- Seguir no Bloglovin -----

Follow

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

------- Mais sobre mim -------

foto do autor

------------ Arquivo ------------

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D