Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Em busca da felicidade

Querem lá ver que é um cachalote de tanga

shut.jpg

 

É sexta-feira e a cabeça rejubila de uma alegria imensurável, os neurónios dão-se a uma dança frenética que isto filmado cá dentro se assemelharia muito a uma qualquer gaiola das loucas. Vai daí e decido meter as minhas extremidades superiores dotadas de 10 falangetas ao serviço do mundo cor de rosa. Podia dar-me para pior, podia acordar com os espírito virado para a política, mas não. Decidi meter as ganfias numa coisa que afeta muito mais as nossas vidas que Bancos falidos e rendimento de inserção social.

Desta feita percorro a minha conta de Facebook - onde vós não ireis encontrar fotos de minhas pernas à beira mar, mas quem sabe das minhas falangetas inferiores soterradas em areia da praia - e deparo-me com a nova pancadaria de galhardetes que se vive. Mais uma vez com um participante num dos programas da SIC Caras, o que me leva a consolidar ainda mais o meu pensamento de que podiam aniquilar aquele canal e sugerir aos seres vivos que vivem de falar da vida dos outros, à falta de saber o que fazer com a deles, que arranjassem um emprego que produzisse alguma coisa para a sociedade.

Esta é apenas uma pequena nota, uma opinião, um pedido, um desejo, vá!

Pois então, e passando ao que interessa, diz que a querida Luísa Castelo-Branco, conhecida por todos pela sua beleza, admirável forma física, já para não falar da sua agradabilidade vocal (sendo que em nada se parece com um camionista de longo curso, nada, nada, nada) refere, a propósito de um vestido usado pela Sofia Ribeiro, que "ficava bem a uma pessoa com metade do peso dela".

Ora uma pessoa a ouvir um comentário destes fora de contexto é bem capaz de pensar que a querida Luísa se deparou com um cachalote em cuecas a caminho do Chiado. Mas não. Fala de uma outra mulher, que tem idade para ser sua filha e que é, por sinal, uma mulher lindíssima, que passou por algumas dificuldades em termos de saúde e que apesar de tudo isso, continua a ser uma gaja boa, como aliás a querida Luísa nunca foi.

Espanta-me que uma mulher que é mãe de uma outra mulher que foi tão satirizada por causa de um vestido há coisa de ano e tal, seja hoje tão cruel com uma miúda que tem idade para ser sua filha.

E não, querida Luísa, não estou a dizer que tem de gostar de tudo. Todos podemos ter a nossa opinião. Contudo há formas para dizer as coisas. Até eu, que estava na arrecadação a arrumar tralhas velhas quando distribuíram a classe lhe sei dizer que há formas mais simpáticas de se dizer, digamos que, o mesmo excremento.

"Já a vi com vestidos melhores", "este não lhe assenta tão bem", "gosto mais de ver este corte em pessoas mais esguias", sei lá, vocês é que recebem para ser comentadores, não eu. Mas parece-me que qualquer destas três frases ajudaria a transmitir que a Luísa não gosta, sem ser, como hei-de dizer...rude e camionista.

A Sofia por outro lado, revestida de amor e coisas, escreveu um post ou lá o que foi à Luísa, sentida pelo comentário da comentadora, ou lá o que é.

Compreendo que a Sofia se sinta melindrada pela frase, mas palavras são palavras, trapos são trapos, opiniões são guizos e temos de lhes atribuir o valor que merecem dependendo do impacto que têm na nossa vida, bem como a boca de onde saem. E muito francamente, depois de já ter gasto alguns minutos da minha vida a ver este magnifico programa de profundo interesse intelectual e cultural, nada me admirava que depois de proferir a frase um dos exemplares comentadores espetasse com uma mão cheia de tremoços na boca, assim mesmo com casca, desse umas valentes golfadas numa jola e num ato de classe continuo, libertasse um arroto profundo seguido de um, "vamos passar ao próximo". Assim mesmo, como quem tritura chicha para salsichas na Sicasal.

 

Humm, que tal, tenho jeito pró cor de rosa ou não?!

 

Feita que está a minha resenha, vou fazer cenas que de facto interessam para alguma coisa ao contrário disto.

 

*para quem não sabe e por forma a dar algum tipo de cunho intelectual ao supra descrito esclareço que um cachalote é  um "Mamífero cetáceo dentado, de comprimento até 20 metros, encontrado em mares temperados e tropicais."

 

12 comentários

Comentar post

------ Gostar da Página ------

----ATENÇÃO!----

Este não é o meu cantinho, este não é o meu refugio e este não é o meu diário público. Este é o meu tasco. Servem-se petiscos carregados de óleo velho, jolas, caracoladas e meia dúzia de piadas parvas. Se procura um espaço mais aprimorado é tentar na porta ao lado. Aqui arrota-se. Dão-se chupas aos miúdos (sim com açúcar...nada de stevia). Aqui dão-se erros ortográficos, baralha-se a semântica e escrevem-se frases à Saramago…e não falo da qualidade intrincada de ideias, é mesmo pela falta de pontuação. Aqui corre-se ocasionalmente, mas sempre com os bofes pela boca e acompanhado do #excuses, muitas #excuses. Aqui faz-se o que dá na real gana, mas sempre com algum juízo. Se estiver confortável com o acima disposto, sente-se e mande vir um pires de caracóis que já atendemos.

----- Seguir no Bloglovin -----

Follow

------Blogs de Portugal------

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

------- Mais sobre mim -------

foto do autor

------------ Arquivo ------------

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D