Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Em busca da felicidade

Querias um palacete bebé, atão é que é já a seguir!

 

Minha querida Madonna, então queres vir para Portugal, mas não é ali para uma casinha com kitchenette e casa de banho com pia e poliban. Ora pois que quererdes vir dormir sob o nosso céu estrelado sem pagar um tostão. Esperta a menina. 

Eu cá acho que tens alguma razão, até porque todos sabemos que não tens onde cair morta, pelo que, tendo em conta tudo o que fizeste pela música Portuguesa devemos dar-te abrigo.

Aliás, tudo o que fizeste pela musica portuguesa e por Portugal, todos te devemos muito, tipo, ahhh, tipo, deixa-me cá ver, estou a fazer força, esmero-me, esforço-me, não me sai nada. Ora bolas, ao que parece não fizeste nada por nós! Ainda assim, parece-te boa ideia querer vir mamar estadia para este retângulo à beira mar plantado sem pagar um tusto. Tá certo!

Ficas zangadinha porque é difícil encontrar casa, dizes tu! Pois, ao preço que procuras e com a qualidade que queres nem no cú de Judas, meu amor!

Lá nos Estates dão-te abrigo de borla em mansões de 7 quartos?

Duvido. 

Mas, deixa-me falar-te um pouco desta terra tão burocrática que não te arranja teto.

Aqui, o salário mínimo não chega a 600 €, ou seja, menos de 700 Dólares (mais coisa menos coisa), o que quer dizer, na tua língua, que não dá para pagar os teus sapatos. As pessoas vivem com esse rendimento. Essas pessoas fazem mais por este país que tu. Contribuem para a economia. E muitas delas vivem num T2 mais pequeno que a tua casa de banho, que fica onde Judas perdeu as botas e ainda assim contam tostões para não faltar nada e ter luxos como a eletricidade, o gás ou a TV Cabo.

Tu pões fotos no Instagram a ralhar que isto é difícil, texto acompanhado de uma foto que quer deixar uma mensagem qualquer, tipo os teus videoclipes alternativos da época em que andavas na onda do cabedal e dos chicotes.

Olha eu não percebi nada...não fosse a legenda ficava na mesma!

Aqui, o país arde por todo o lado no verão, há corrupção em por toda a parte, ele é banqueiros, ele é ex-primeiros ministros, ele é ex-gestores de grande empresas, e ninguém percebe bem o que acontece ao dinheiro que se desconta e muito menos ao que se angaria para quem perdeu tudo no terror dos incêndios. Aqui compram-se submarinos avariados e pede-se apoio ao país vizinho para mandar aviões para apagar o fogo que nos consome o norte do país.

Aqui há quem não tenha trabalho. Por exemplo, uma pessoa com mais de 40  anos vê-se à rasca para ser aceite por qualquer empresa, então se não tiver canudo, está aquilo a que chamarias de fucked, o que na nossa terra é fodido.

Aqui nesta terra não há propriamente uma classe média. Há gente que tem ainda mais dinheiro que tu, há uns que andam ali pelo meio mas são tão poucos que nem constituem uma classe, e depois há os remediados, que é malta com profissões muito mais importantes que a tua (médicos, enfermeiros, essas coisas inúteis) e que trabalham que nem cães para pagar um T2 usado em São Domingos de Benfica. Isto aproxima-se do fim de classes com os pobres como eu que compram sapatos na Guimarães que são «inspirados» nos sapatos a que o ordenado não chega. Mas há gente que está pior, há a malta dos 600 € por mês e esses coitados, nem são pobres, contam trocos toda a vida. Bem sei que já lá estive.

Mas tu, porque querias ser tocada como uma virgem há mais de 33 anos, achas que nesta terra te devem deixar ficar numa casa com 7 quartos, para cima de uma porrada de casas de banho e terreno que chega para levantar alguns 20 prédios. Achas que deves ficar num palacete onde chegou a viver um Rei de Portugal sem pagar. Assim, de borla, fazias umas obras se te apetecesse e depois se assim entendesses cavavas e tinhas estado montada numa boa casa sem pagar.

Quer dizer, o Tuga queixa-se que não consegue comprar casa ou arrendar no centro de Lisboa porque agora é tudo alugueres de curta duração e tu, vens lá com os teus 25 filhos e achas que para ti é como se isto fosse a Republica das Bananas.

Isto vai mal, mais ainda não é o Rei Juliano que manda nisto!

Tem lá juizinho na cabeça e puxa da carteira que deve ter custado mais do que um tuga remediado ganha num ano. Puxa da nota e paga para cá viveres. Se não te apetecer, a troco de zero euros, nem aqui, nos confins do caraças te ofereço estadia, que isto a mim interessa-me é que um camone me compre a cubata por uma porrada de dinheiro e não dar guarida a uma camona que acha que vive à conta.

Gosto muito de ti e da tua musica, minha linda, mas quando tratam a minha terra como se fosse a casinha da Joana o pêlo da minha fuça tende a ficar um tudo nada eriçado!

Mas olha, não me leves a mal, sou só eu a fazer aquilo que aconselhas na tua musica: "Express yourself".

 

 

 

17 comentários

Comentar post

------ Gostar da Página ------

----ATENÇÃO!----

Este não é o meu cantinho, este não é o meu refugio e este não é o meu diário público. Este é o meu tasco. Servem-se petiscos carregados de óleo velho, jolas, caracoladas e meia dúzia de piadas parvas. Se procura um espaço mais aprimorado é tentar na porta ao lado. Aqui arrota-se. Dão-se chupas aos miúdos (sim com açúcar...nada de stevia). Aqui dão-se erros ortográficos, baralha-se a semântica e escrevem-se frases à Saramago…e não falo da qualidade intrincada de ideias, é mesmo pela falta de pontuação. Aqui corre-se ocasionalmente, mas sempre com os bofes pela boca e acompanhado do #excuses, muitas #excuses. Aqui faz-se o que dá na real gana, mas sempre com algum juízo. Se estiver confortável com o acima disposto, sente-se e mande vir um pires de caracóis que já atendemos.

--------Instagram--------

------Blogs de Portugal------

----- Seguir no Bloglovin -----

Follow

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

------- Mais sobre mim -------

foto do autor

------------ Arquivo ------------

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D