Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Em busca da felicidade

Tenho alguma a aversão a motoqueiros

moto.jpg

 

 

Não é bem que não goste....é só que antipatizo com a maior parte deles, por conta de terem aquela mania de perpetuar um tipo de ação que eu associa a conduta mentecapta.

É lógico que não acontece com todas as pessoas que possuem, na sua esfera de propriedade privada, um veiculo motorizado de duas rodas, vulgo mota.

Há uma diferença abismal entre: Pessoas que andam de mota e motoqueiros. Começando pelo facto de que os primeiros fazem uso deste meio de transporte por razões logísticas e económicas, ao passo que os segundos o fazem como estilo de vida.

A partir do momento em que andar num determinado tipo de transporte é um estilo de vida, compreendemos que há algo de «bate-mal-no-telhado» daquela pessoa.

O motoqueiro é um tipo de ser vivo que possui todo o equipamento das marcas XPTO (coisa que não me apoquenta). O motoqueiro conhece as suas motas e gosta das suas concentrações.

O motoqueiro é aquele gajo que abana a mona quando tira o capacete, que é para ajeitar os cabelos ao vento...mesmo quando é careca. O motoqueiro tem um casaco do seu gang, e caso não pertença a um gang tem o casaco top da marca de motas que mais adora.

O motoqueiro é um tipo que tem regras próprias de transito, vocifera manifestações de violência, usa e abusa do vernáculo (tudo ali bem encubado dentro do capacete - pergunto-me se dará conta que a única pessoa que o ouve a mandar o outro para o alho é ele próprio). O motoqueiro aprende a fazer sobrancelhas de mau, pois sabe que, quando está com a caixinha na cabecita é a única forma que tem de se expressar.

O motoqueiro gosta de espaços apertados, passa rente entre os carros e não faz distinção entre ultrapassagens à direita e à esquerda. A estrada é sua e quem não respeitar essa simples regra habilita-se a levar com o capacete que ele trás mesmo pelos dentes adentro.

O motoqueiro, quando lhe dá jeito finge não ver o condutor do veiculo de 4 rodas e trata-o como se este fosse um malfeitor das estradas, ali a ocupar espaço de forma forte e feia, todo ele dentro de uma faixa que dava para levar para cima de 1 mota daquelas que são bem fininhas mas depois têm: a pochete de ferro da direita com o almoço; a pochete de ferro da esquerda com o livro para entreter; a pochete do raio que o parta para levar uma malhinha caso faça frio.

O motoqueiro é uma espécie de ser vivo que, após abrir um sinal verde e depois de pedir passagem a um carro com uma família de gente que está atrasada para levar o puto à natação, perante tamanha boa vontade, pespega com a sua mota tamanho smart 4x4 a modos que atravessada na estrada, impedindo dessa forma a passagem de quaisquer veículos.

E para quê?

Para que os amiguinhos da «concentração» passem todos e não se percam uns dos outros.

Em resumo, o motoqueiro é um ser pouco civilizado e choninhas que, para além de não ter uma merda de um GPS em pleno século XXI, ainda tem medinho que os amiguinhos se percam uns dos outros.

Pergunto-me se os acompanhará uma educadora de infância motoqueira, para os contar no principio e no fim do passeio. Para os mandar para o canto quando responderem mal e lhes dar estrelinhas verdes quando se portam de acordo com o previsto.

Não tenho rigorosamente nada contra veículos de 2 rodas, sejam elas motorizadas ou não. Tenho algumas coisas contra os seus proprietários, por conta de seus comportamentos paleolíticos. Respeitem a porra das regras de trânsito tal como quem anda de carro. E já agora tomem lá um shotezito de civismo, que é coisa que parecem perder assim que se montam nas ditas.

 

2 comentários

Comentar post

------ Gostar da Página ------

----ATENÇÃO!----

Este não é o meu cantinho, este não é o meu refugio e este não é o meu diário público. Este é o meu tasco. Servem-se petiscos carregados de óleo velho, jolas, caracoladas e meia dúzia de piadas parvas. Se procura um espaço mais aprimorado é tentar na porta ao lado. Aqui arrota-se. Dão-se chupas aos miúdos (sim com açúcar...nada de stevia). Aqui dão-se erros ortográficos, baralha-se a semântica e escrevem-se frases à Saramago…e não falo da qualidade intrincada de ideias, é mesmo pela falta de pontuação. Aqui corre-se ocasionalmente, mas sempre com os bofes pela boca e acompanhado do #excuses, muitas #excuses. Aqui faz-se o que dá na real gana, mas sempre com algum juízo. Se estiver confortável com o acima disposto, sente-se e mande vir um pires de caracóis que já atendemos.

--------Instagram--------

------Blogs de Portugal------

----- Seguir no Bloglovin -----

Follow

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

------- Mais sobre mim -------

foto do autor

------------ Arquivo ------------

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D